Anterior
Próximo

De dentro pra fora – Ana Cláudia

A vida da gente tem uma trajetória externa que todos podem ver, que se delimita no tempo e no espaço. A ciência da escola já dizia: a gente nasce, cresce, se reproduz e morre. Tudo isso é um processo que leva tempo e, com o passar dos anos, muitas coisas visíveis externamente nos acontecem: a vida escolar, aniversários, conhecemos pessoas, nos tornamos amigos de algumas delas, namoramos, nos casamos, estudamos, nos formamos, trabalhamos. Alguns seguem ritmos de vida diferentes deste descrito acima, afinal, somos muitos e temos histórias muito diversificadas de vida.

Todas essas coisas são tangíveis aos olhos humanos, visíveis externamente. Mas, todas as nossas relações interpessoais derivam de nossa relação intrapessoal. A forma como lidamos conosco mesmos norteia todas as nossas outras relações.
Às vezes gasto uma manhã inteira frente ao espelho dos pensamentos me encarando e tendo que dar conta de mim mesma: das minhas ações e reações, e decisão sobre o que é certo e errado nas minhas atitudes, se devo consertá-las ou apenas deixá-las seguir o fluxo. Às vezes preciso mergulhar em mim mesma, me aprofundar, me conhecer melhor. Outras vezes eu fujo de mim, paro de pensar, apenas durmo, e quando acordo já é outro dia, e tenho que lidar com outras coisas.
No fundo a gente percebe que nossa vida se constrói de dentro pra fora. Não creio na teoria de que somos frutos do meio. O meio pode nos influenciar, mas não nos transformar em algo totalmente diferente do que nós somos. A gente pode pegar as pedras e fagulhas que nos atingiram e transformar em obra de arte, fazendo do nosso mundinho particular um lugar melhor pra nós, e transbordar todo bem que tiramos de nossas experiências todas, ruins e boas, e doar coisas ainda melhores pra quem nos cerca. Ou a gente pode decidir ficar sozinho no nosso mundinho aproveitando os frutos que colheu e jogar apenas as cascas aos demais, sorrindo e sendo superficial, sem mostrar o que realmente tem por dentro. Não sei. É uma decisão pessoal. Mas com certeza aprendi uma coisa: a gente vem ao mundo primeiramente para dar algo de si. De acordo com o que damos, vamos também recebendo e vamos equacionando esse processo, pausando, refletindo para ver o que mais podemos dar e aprendendo assim a distinguir o que queremos receber.
Primeiro fazemos upload daquilo que trazemos, das nossas raízes, da nossa semente. Depois recebemos o download. A vida é de dentro pra fora. O que vem de fora não molda o que está dentro, apenas delimita no tempo e no espaço, no tangível, no visível, os caminhos que vamos seguir. Nos impulsiona a melhorar. Não se deixe destruir pelo que vem da superfície. Proteja o seu interior. Escolha ser melhor do que tudo de mau que tenta te atingir!